Internautas ligam Marina Silva a número de Jair Bolsonaro

A campanha da candidata da Rede Sustentabilidade, Marina Silva, diz ter identificado um ataque às suas publicações em redes sociais, com comentários associando seu nome ao número do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. Perfis incluíam nos posts da presidenciável a expressão “Marina17”, número do adversário. Nas urnas, a Rede é 18.

Segundo o partido, os ataques começaram na semana passada e são mais comuns nas transmissões ao vivo no Facebook. Marina faz cerca de duas lives por semana, normalmente temáticas, a que chama de “horário pessoal gratuito” – uma alternativa aos cerca de 30 segundos de tempo oficial de rádio e TV no horário eleitoral, diz o Terra.

A última transmissão foi com o vice Eduardo Jorge (PV), na quinta-feira, 9, quando foi identificado um número elevado de comentários com a expressão “Marina17”.

Integrantes da equipe da presidenciável se reuniram com representantes do Facebook na sexta-feira, 10, para discutir, entre outras questões, o que chama de ataque à página da candidata. É possível, na rede social, bloquear termos específicos e “Marina17” foi proibido nas publicações da candidata nesta semana.

Nas lives, contudo, a ferramenta não tem funcionado, segundo a equipe de Marina. “Caso a gente não consiga impedir esses comentários via Facebook, vamos estudar outras medidas que garantam que a lei seja respeitada e os comentários não confundam os eleitores”, disse o coordenador de mobilização da campanha de Marina, Lucas Brandão.

De acordo com Brandão, a equipe do Facebook teria se comprometido a resolver o problema na plataforma. Procurada, a assessoria do presidenciável do PSL não deu resposta até a conclusão desta reportagem. Associar um candidato a um número de urna de outro é ilegal, segundo o professor de Direito da PUC Fernando Hideo, porque induz o eleitor ao erro.

Marina foi a primeira candidata a conseguir uma decisão favorável do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra notícias falsas na internet. A determinação, de 7 de junho, atendia a uma ação proposta pela ex-ministra e seu partido, que pediam a remoção de cinco publicações no Facebook consideradas por eles fake news. As publicações acusavam Marina de estar envolvida na Operação Lava Jato e de ter recebido propina da Odebrecht.

12/08/2018

(Visited 3 times, 1 visits today)